* Este blog luta por uma sociedade mais igualitária e justa, pela democratização da informação, pela transparência no exercício do poder público e na defesa de questões sociais e ambientais.
* Aqui temos tolerância com a crítica, mas com o que não temos tolerância é com a mentira.

sexta-feira, 13 de outubro de 2017

O fim do Império do North (?)



por Chris Hedges, no Thruthdig, com tradução para o vernáculo tupinambá pelo Coletivo Vila Vudu, blog do Alok


NOTA - observem que o autor se refere aos EUA como "nós", pois originalmente escreve para o público norte-americano, seus compatriotas.


O império norte-americano está chegando ao fim. A economia dos EUA está sendo drenado por infindáveis guerras no Oriente Médio e expansão militar superdistendida sobre o mundo. O império verga sob o peso de déficits crescentes, além dos efeitos devastadores desindustrialização e de acordos comerciais globais.

Nossa democracia foi capturada e destruída por empresas que só fazem exigir impostos cada vez menores, desregulação cada vez maior e impunidade ampla, geral e irrestrita para todos os tipos imagináveis de fraudes financeiras, tudo isso enquanto as mesmas empresas saqueiam trilhões do Tesouro dos EUA à guisa de 'resgates'.

A nação perdeu o poder e o respeito sem os quais já não consegue interessar aliados na Europa, na América Latina, na Ásia e na África para que abracem o 'projeto' norte-americano. Acrescente-se a isso a destruição crescente provocada pela mudança climática, e aí está a receita para uma distopia emergente.

Supervisionando esse desastre, nos mais altos cargos dos governos federal e estadual está uma coleção insuperável de imbecis, de artistas conservadores, de ladrões, oportunistas e generais belicistas. E, claro, para que não restem dúvidas: essa lista está cheia, sim, de Democratas.

O império continuará a capengar, perdendo influência sempre, até que o dólar seja abandonado como moeda mundial de reserva, o que lançará os EUA em depressão incapacitante e instantaneamente obrigará a fazer cortes massivos na máquina militar.

A menos que brote a revolta popular repentina e disseminada, o que nada sugere que esteja iminente, a espiral mortífera parece impossível de deter, o que significa que os EUA que conhecemos já não existirão dentro de dez anos, no máximo vinte. O vácuo global que deixamos será preenchido pela China, que já se estabelece como potência econômica e militar gigante, ou, talvez, surja um mundo multipolar partilhado entre países como Rússia, China, Índia, Brasil, Turquia, África do Sul e uns poucos outros. Ou talvez o vácuo seja preenchido, como escreve o historiador Alfred W. McCoy em seu livro In the Shadows of the American Century: The Rise and Decline of US Global Power, por "uma coalizão de empresas transnacionais, forças militares multilaterais como a OTAN e uma liderança financeira internacional autoselecionada em Davos e Bilderberg", a qual "forjará um nexo supranacional que se imporá sobre quaisquer nações ou impérios."

Seja qual for o parâmetro, do crescimento financeiro e investimento em infraestrutura a alta tecnologia, inclusive dos supercomputadores, armas espaciais e ciberguerra, em todos esses campos os chineses já superaram os EUA, ou superarão em breve. "Em abril de 2015 o Departamento de Agricultura dos EUA sugeriu que a economia dos EUA cresceria perto de 50% nos 15 anos seguintes, e que a China, em 2030, teria triplicado e estaria bem perto de ultrapassar os EUA" – lembrou McCoy. Em 2010 a China tornou-se a segunda maior economia do mundo, no mesmo ano tornou-se a primeira nação em manufatura, deslocando do posto os EUA, que dominaram a manufatura no planeta durante um século.

O Departamento da Defesa lançou relatório sóbrio, intitulado "At Our Own Peril: DoD Risk Assessment in a Post-Primacy World" [Por nossa conta e risco: Departamento de Defesa avalia riscos num mundo pós-primazia dos EUA]. Segundo esse relatório, os militares norte-americanos "já não estão em posição inalcançável, na relação com outros competidores estatais," e "já não podem (...) gerar automaticamente superioridade militar local consistente e sustentável de longo alcance." McCoy prevê que o colapso chegará por volta de 2030.

Impérios em decadência abraçam o que se pode descrever como suicídio disfarçado. Cegados pela própria húbris e incapazes de lidar com a realidade do evanescimento do próprio poder, recolhem-se a um mundo de fantasia onde não entra nenhum fato duro ou desagradável. Substituem diplomacia, multilateralismo e política por ameaças unilaterais e o grosseiro argumento da guerra.

Esse autoengano coletivo deixou passar sem protestar quando os EUA cometeram o maior tropeço estratégico de sua história, que foi como o golpe de misericórdia que matou o império – a invasão do Afeganistão e do Iraque. Os arquitetos da guerra na Casa Branca de George W. Bush e a seleta de idiotas úteis na imprensa e na academia que lhe serviam de líderes de torcida sabiam bem pouco sobre os países que invadiam, foram inacreditavelmente crédulos e ingênuos quanto aos efeitos da guerra industrial e foram completamente ludibriados pelo feroz revide que viria e veio. Declararam, e provavelmente acreditavam que fosse verdade, que Saddam Hussein teria armas de destruição em massa, embora não houvesse qualquer prova. Insistiram que a democracia seria implantada em Bagdá e dali se espalharia pelo Oriente Médio. Garantiram aos cidadãos que os soldados dos EUA seriam saudados como libertadores, por iraquianos e afegãos agradecidos. Prometeram que a renda do petróleo cobriria os custos da reconstrução, insistiram que o ataque militar duro e direto – "choque e pavor" – restauraria a hegemonia dos EUA na região a dominação no mundo. Foi o oposto disso. Como Zbigniew Brzezinski viu, essa "guerra unilateral de escolha contra o Iraque precipitou uma muito disseminada deslegitimação da política externa dos EUA."

Historiadores de impérios chamam a esses fiascos militares, traço sempre presente no período final dos impérios, de exemplos de "micromilitarismo". Os atenienses envolveram-se em micromilitarismo durante a Guerra do Peloponeso (431-404 a.C.), invadiram a Sicília, perderam 200 navios e milhares de soldados e dispararam revoltas por todo o império. A Grã-Bretanha fez o mesmo em 1956 quando atacou o Egito num disputa pela nacionalização do Canal de Suez e rapidamente teve de bater em retirada, humilhada, o que empoderou uma sequência de líderes nacionalistas árabes como Gamal Abdel Nasser do Egito, e condenando à extinção o mando dos britânicos sobre as poucas colônias que lhes restavam. Nenhum desses impérios jamais se recobrou.

"Se impérios em ascensão são frequentemente judiciosos, até racionais, no uso que dão às forças armadas para conquistar e controlar domínios distantes, impérios decadentes apresentam a tendência a dar shows de poder, sonhando com duros golpes de mestre militares que de algum modo lhes devolveriam prestígio e poder" – McCoy escreve. "Frequentemente irracionais, mesmo de um ponto de vista militar, essas operações micromilitares podem gerar a gastos hemorrágicos ou a derrotas humilhantes que só aceleram a decadência já em curso."

Impérios precisam de mais do que força para dominar outras nações. Precisam de uma mística. Essa mística – uma máscara para o saque, a repressão e a exploração – seduz algumas elites nativas, que passam a se dispor a fazer o jogo da potência imperial ou, pelo menos, permanecem passivas. E garantem a pátina de civilidade e até mesmo de nobreza para justificar em casa o quanto manter o império custa em sangue e em dinheiro.

O sistema parlamentar de governo que a Grã-Bretanha replicou, na aparência, nas colônias, e a introdução de esportes bretões como polo, críquete e corridas de cavalos, além de vice-reis elaboradamente fardados e a pompa da realeza, alicerçavam-se no que os colonialistas diziam que seria a invencibilidade da marinha e do exército deles mesmos. A Inglaterra conseguiu manter coeso seu império entre 1815 e 1914, antes de ser forçada à retirada. A ruidosa retórica dos EUA sobre democracia, liberdade e igualdade, com muito basquetebol, beisebol e Hollywood, além da deificação que fazemos dos militares, hipnotizou e arrastou grande parte do mundo, como um só rebanho, no alvorecer da 2ª Guerra Mundial. Por trás das cortinas, claro, a CIA usava seu saco de truques sujos para orquestrar golpes, manipular urnas, assassinar líderes, em campanhas de propaganda, suborno, chantagem, intimidação e tortura. Nada disso funciona hoje.

Sem mística, todo o processo engripa. Passa a ser difícil encontrar subalternos absolutamente servis para administrar o império – como vimos acontecer no Iraque e no Afeganistão. Fotografias de abusos físicos e de humilhação sexual impostos a prisioneiro árabes em Abu Ghraib incendiaram o mundo muçulmano e o processo de alistar recrutas para a al-Qaida, depois para o Estado Islâmico. O assassinato de Osama bin Laden e de muitos outros líderes jihadistas, inclusive de pelo menos um cidadão norte-americano, Anwar al-Awlaki, abertamente zombou do conceito de Estado de Direito. As centenas de milhares de mortos e milhões de refugiados que fogem de nossas guerras no Oriente Médio, além da ameaça constante dos drones militarizados, expuseram os EUA como estado terrorista. No Oriente Médio, os militares dos EUA exercitaram uma tendência a praticar atrocidades em grande escala, a violência indiscriminada, mentiras, erros escandalosos, ações já haviam levado à derrota dos norte-americanos no Vietnã.

A brutalidade longe de casa equivale à crescente brutalidade em casa. Policiais da polícia militarizada matam a tiros norte-americanos negros pobres quase sempre desarmados, e assim enchem um sistema de cadeias e penitenciárias onde semivivem inacreditáveis 25% do total de prisioneiros que há no mundo, embora a população dos EUA não ultrapasse 5% da população mundial. Incontáveis cidades dos EUA estão em ruína. O sistema de transporte público está em pedaços. Nosso sistema educacional está em declínio agudo, para ser privatizado. A dependência de opiáceos, o suicídio, os massacres de massa por atiradores locais, a depressão e a obesidade mórbida são pragas que acometem uma população já lançada no mais profundo desespero.

A desilusão profunda e a ira que levaram à eleição de Donald Trump – uma reação contra o golpe de estado feito pelas empresas contra a nação, e a miséria que aflige pelo menos metade do país – destruíram o mito de uma democracia em funcionamento. Tuítos e a própria retórica do presidente celebram o ódio, o racismo, a intolerância e ameaçam os fracos e vulneráveis.

Em discurso da tribuna da ONU, o presidente ameaçou varrer outra nação da face da Terra em ato de genocídio. Em todo o mundo os EUA somos objeto de ódio e ridicularizados. O que o futuro reserva aos norte-americanos já está aparecendo numa onda de filmes distópicos, que já nem tentam propagandear a virtude norte-americana ou o excepcionalismo ou o mito do progresso da humanidade.

"O descarte final dos EUA como potência global dominante pode vir muito mais depressa do que se imagina" – escreveu McCoy. "Apesar da aura de onipotência que com frequência os impérios projetam, muitos deles são supreendentemente frágeis, sem sequer a força inerente com que podem contar até os estados-nação mais humildes. Na verdade, rápido olha à história dos impérios deve nos obrigar a ver que até o maior deles é suscetível de fracassar e colapsar por causas diversas, sendo as pressões fiscais quase sempre um fator essencial. Pela melhor parte de dois séculos, a segurança e a prosperidade da própria pátria foi o principal objetivo da maioria dos estados estáveis, o que fazia da aventuras estrangeiras e imperiais opção descartável, à qual se reservavam nunca mais de 5% do orçamento doméstico. Sem a riqueza que cresce quase organicamente dentro de uma nação soberana, os impérios são predadores afamados em sua ânsia incansável por saque ou lucro – como o demonstra o tráfico de escravos no Atlântico, a febre belga da borracha no Congo, o tráfico do ópio na Índia Britânica, o estupro da Europa pelo Terceiro Reich."

Quando os ganhos encolhem ou colapsam, diz McCoy, "os impérios tornam-se quebradiços."

"Sua ecologia do poder é tão delicada que, quando as coisas começam a ir realmente mal, os impérios desmoronam com velocidade de profanação: em Portugal, apenas um ano; dois anos, para a União Soviética; oito anos para a França; 11 anos para os otomanos; 17 anos para a Grã-Bretanha e, como tudo sugere fortemente, apenas 27 anos para os EUA, contados daquele ano crucial de 2003 [quando os EUA invadiram o Iraque]" – escreve ele.

Muitos dos cerca de 70 impérios que o mundo conheceu ao longo da história padeceram a falta de liderança competente nos anos do declínio final, e cederam o poder a monstruosidades como os imperadores Calígula e Nero, romanos, por exemplo. Nos EUA, as rédeas da autoridade podem já ter caído nas mãos de um, numa linha de demagogos depravados.

"Para a maioria dos norte-americanos, os anos 2020s serão lembrados, muito provavelmente, como década de desmoralização, com preços subindo, salários estagnados e competitividade internacional desaparecendo" – McCoy escreve. A fim do dólar como moeda global de reserva tornará os EUA incapazes de pagar pelos seus déficits monstros com a venda de papéis do Tesouro –, os quais, àquela altura, já estarão drasticamente desvalorizados. Os preços dos importados subirão massivamente. O desemprego explodirá. Os confrontos domésticos em torno do que McCoy chama de "questões sem substância" alimentará um perigoso hipernacionalismo reacionário que pode facilmente se converter num fascismo norte-americano.

Uma elite desacreditada, desconfiada, mesmo paranoica em tempos de declínio, verá inimigos em todos os cantos. O conjunto de instrumentos criados para a dominação global – vigilância por todos os lados, a evisceração das liberdades civis, técnicas sofisticadas de tortura, polícia militarizada, sistema prisional massivo, milhares de drones e satélites militarizados – serão empregados dentro de casa. O império colapsará e a nação se autoconsumirá, ainda no tempo que nossa geração tem para viver, se não arrancarmos o poder das garras dos que comandam o estado dos financistas e empresários.*****

Ambientalismo: da contracultura à corporação





excerto adaptado do texto de Wilson Roberto Vieira Ferreira, no Cinema secreto/Cinegnose


O movimento ambientalista contemporâneo emerge como tendência influente no pós-guerra, principalmente na Europa e América com o surgimento dos movimentos contraculturais - hippie, Flower Power e toda ideologia californiana que idealizava uma associação entre alta tecnologia industrial com a vida rústica integrada à Natureza. Contestavam o modelo de civilização em vigor. Alguns de inspiração marxista acreditavam que o problema estava no modo de produção capitalista, onde a ganância do Capital produzia desperdício e destruição.

A vigorosa emergência do movimento pegou na época os sociólogos de surpresa. Mas a resposta foi rápida com o surgimento do chamado Clube de Roma (fundado em 1968 por acadêmicos, cientistas, diplomatas e empresários) que em 1972 publica o relatório Os Limites do Crescimento, elaborado pela equipe do MIT – Massachussetts Institute of Technology. Nessa publicação está a origem de toda a atual agenda corporativa sobre o meio ambiente com temas que seriam cruciais para a humanidade tais como energia, poluição, tecnologia, saúde e crescimento populacional.


Clube de Roma em 1972: a mudança do enfoque ambiental da contracultura


Há uma reviravolta em relação à crítica ambientalista da contracultura: se lá o problema estava no modo de produção e nas relações sociais de trabalho (e, portanto, a causa ambiental estaria associada a questões mais amplas como direitos humanos, liberdade, desenvolvimento equitativo etc.), a partir do Clube de Roma a questão se desloca da sociedade para exclusivamente a Natureza, abordada como dotada de recursos finitos e escassos. Portanto, o problema estaria na irracionalidade humana em não saber disso e insistir no crescimento industrial e populacional. O culpado é o homem, pensado como um ser genérico, abstrato, sem definir classe social ou nacionalidade.

Dessa maneira, o discurso ambientalista do Clube de Roma cai como uma luva para uma economia mundial que, a partir do fim do Acordo de Bretton Woods iniciada com a moratória disfarçada da dívida dos EUA em 1971 feita pelo presidente Nixon, o dólar desatrelou do lastro ouro, impulsionando a liquidez e a financeirização em escala global. As altas finanças e a elite rentista passam a determinar o ritmo econômico. O crescimento industrial torna-se pouco atraente numa economia global marcada pela especulação e fluidez. Aquecimento econômico e pleno emprego são tudo que essa elite mais teme. Por isso, ela cria freios estruturais como os juros altos e a chantagem da inflação, caso a economia aqueça.

Cria-se uma espécie de economia negativa onde a produção de riqueza se desatrela do lastro produtivo. A financeirização e a liquidez tornam-se uma camisa de força para as forças produtivas da sociedade (como diria Marx, o trabalho morto domina o vivo), pois a criação do dinheiro-crédito é uma nova forma de poder (virtualmente infinita) pela capacidade do sistema financeiro criar crédito e riqueza sobre o nada.


Água escassa vira mercadoria

Mas o decisivo para a nova ordem econômica é a concepção dos recursos naturais como bens escassos. Se eles estão acabando, seja pelas mudanças climáticas, seja porque o planeta é pequeno demais para as ambições humanas, passam a serem bens altamente estimados e valorizados. A escassez é o pressuposto econômico no capitalismo para a transformação de qualquer coisa em mercadoria.

Assim como no neoliberalismo, o hiperliberalismo acredita que o mercado é a única instância que sincronizaria de forma racional a oferta e a demanda. A diferença, é que no hiperliberalismo essa mercantilização generalizada é agora inscrita na Natureza. Em outras palavras, a escassez dos recursos naturais é a justificativa “orgânica” para a ordem mercantil, com o apoio do discurso ambientalista corporativo.

Por isso, não são surpreendentes notícias de que ONGs ambientalistas como o Greenpeace tenham o apoio financeiro de grandes empresas petrolíferas, Fundação Rockfeller e mercado de energia elétrica – sobre isso clique aqui.

Um exemplo dessa convergência entre mercado e ambientalismo são os créditos de carbono (sistema de compensação onde empresas que não tenham conseguido diminuir a emissão de gases podem comprar créditos de terceiros que fizeram tais ações) negociados em bolsas de valores, leilões etc., criticados por mais favorecer o mercado financeiro do que o meio ambiente – sobre isso clique aqui.

Na medida em que o hiperliberalismo coloca o mercado como a única instância onde supostamente se equalizaria racionalmente os recursos naturais escassos, estes deixam de ter o controle público por meio das pressões pela privatização.

Por isso, uma poderosa engenharia de opinião pública está em ação nesse momento. Assim como hoje achamos natural pagar pela energia elétrica transmitida por fios, depois que o banqueiro JP Morgan e a empresa Westinghouse levaram o físico Nikola Tesla à ruína no início do século XX, depois que descobriram que ela havia encontrado a transmissão livre de energia, abundante no planeta (sobre isso clique aqui); e assim como achamos natural trocar lâmpadas que queimam, depois que o cartel de lâmpadas dos EUA institucionalizou a obsolescência planejada, da mesma forma a estética e o discurso da escassez do hiperliberalismo fará acharmos natural pagar pela água como uma mercadoria qualquer cotada pelo mercado.

Se o neoliberalismo foi a ideologia do capitalismo industrial na sua fase tardia, o hiperliberalismo é a ideologia da elite financeira e rentista. A Esquerda critica os 20 anos de governos do PSDB no Estado de São Paulo de incompetentes pela má gestão citando os exemplos da crise hídrica (nota aqui do blogo botocudo - a de 2014, porcamente gerida pela Sabesp), a quebra financeira da USP etc. Pelo contrário: eles estão aplicando rigidamente e com precisão a agenda do hiperliberalismo imposto pela elite financeira como, por exemplo, os bancos internacionais de desenvolvimento – tornar escasso todos os bens tidos como universais (a educação, a água, a energia e, no futuro, até o ar) para submetê-los à regulação do mercado.

segunda-feira, 18 de setembro de 2017

Para registro: A trampa do 11 de setembro



por Gustavo Gollo, no blog do Nassif


As evidências mais óbvias da tramoia surgem quando se atenta para a demolição da torre 7, a terceira a desmoronar naquele dia. À primeira vista, os choques dos aviões poderiam justificar a derrubada das outras duas torres, mas a terceira teria que ter caído em decorrência de um incêndio, fato inédito, inverossímil ante a informação de que a temperatura dos fogos de incêndios não é suficiente para derreter o aço.

A terceira torre foi implodida, conforme evidenciam a simetria e velocidade de sua queda, as explosões laterais vistas nos vídeos, antecedendo a queda, e os relatos de explosões sucessivas antecedendo imediatamente a implosão. O comentário do dono da torre, o mesmo que veio a receber bilhões de dólares pelo seguro do prédio, dizendo ter implodido a torre, e o cheiro de termite, substância capaz de derreter o aço, relatado por testemunhas, reforçam essa convicção.

A informação técnica adicional de que os aviões não são capazes de derrubar as torres, somadas às mesmas considerações anteriores sobre a possibilidade de incêndios as demolirem, confirma o fato da implosão das 3 torres.

O míssil sobre o pentágono, e não um avião, como relatado na farsa, configura o crime de ódio. Foram assassinados ali os que se opuseram à atrocidade.

O teatro armado consistiu cenário perfeito para a consecução de múltiplos assassinatos, todos eles encobertos por uma única farsa. A demonstração de poder resultante dessa chacina seria suficiente para calar até os mais ferrenhos oponentes da farsa. Pessoas muito poderosas foram eliminadas, 184 delas sucumbiram no pentágono. Outras tantas desapareceram, simplesmente (40% dos corpos não foram identificados).

Existem inúmeras evidências da farsa, quem assistir aos vídeos com o intuito de desvendar os fatos chegará às mesmas conclusões. Assistindo aos vídeos, tenha em mente que a expressão mágica “teoria da conspiração” tem o poder de transformar mentiras oficiais em dogmas. Basta associar tal rótulo a uma mentira descarada para torná-la inatacável.

O gênio do mal que arquitetou essa hecatombe bem poderia ser alcunhado “Coringa”, por seu senso de humor bizarro.

A grande lição desse episódio macabro é a constatação de estarmos vivendo sob o domínio de tais criaturas.

quinta-feira, 14 de setembro de 2017

A afronta da China e Rússia ao dólar



F. William Engdahl, New Eastern Outlook  - tradução Vila Vudu - publicado no ótimo blog do Alok


Pouco depois do fim da 2ª Guerra Mundial, o governo dos EUA, aconselhado pelos grandes bancos internacionais de Wall Street, projetou o que muitos interpretam erradamente como um novo padrão ouro. Na verdade, foi um padrão dólar, no qual todas as demais moedas dos países do Fundo Monetário Internacional fixaram o valor das respectivas moedas em relação ao dólar. Em troca, o dólar dos EUA foi ancorado ao ouro, num valor igual ao de 1/35 de uma onça de ouro. Ao mesmo tempo, Washington e Wall Street puderam impor um sistema pelo qual o Federal Reserve ficava com cerca de 75% de todo o ouro monetário mundial, como consequência da guerra e desenvolvimentos a ela relacionados. Bretton Woods estabeleceu o dólar, o qual então se tornou a moeda de reserva do comércio mundial, dos bancos centrais.


Agonia final de um padrão dólar defeituoso 

Pelo fim dos anos 1960s, com os déficits crescentes no orçamento dos EUA por causa dos custos da Guerra do Vietnã e outros gastos igualmente alucinados, o padrão dólar começou a deixar ver suas profundas falhas estruturais. A Europa Ocidental e o Japão recuperados já não precisavam de bilhões de dólares dos EUA para financiar reconstruções. A Alemanha e o Japão haviam-se tornado economias de exportação de classe mundial com mais alta eficiência que a manufatura norte-americana, por efeito da obsolescência crescente da indústria básica dos EUA, do aço a automóveis, e da infraestrutura básica. Washington então deveria ter desvalorizado significativamente o dólar frente ao ouro, para corrigir o crescente desequilíbrio no comércio mundial. Essa desvalorização do dólar teria estimulado os ganhos de exportação dos EUA e reduzido os desequilíbrios comerciais. Teria sido verdadeiro alento para a economia real dos EUA.

Mas para os bancos dos EUA o mesmo passo teria levado a grandes perdas. Então, em vez de fazer o que era dever deles, os governos Johnson e depois Nixon imprimiram mais dólares e, efeito disso, exportaram inflação para o mundo.

Os bancos centrais, especialmente da França e da Alemanha, reagiram à surdez de Washington exigindo o ouro do Fed dos EUA das reservas norte-americanas a $35 por onça do acordo de Bretton Woods de 1944. Em agosto de 1971, a troca de ouro por dólares norte-americanos inflados alcançou ponto crítico, e Nixon foi aconselhado por Paul Volcker, alto funcionário do Tesouro, a pôr abaixo o sistema de Bretton Woods.

Em 1973, Washington permitia o livre comércio do ouro, que já não era o lastro firme do dólar norte-americano. Em vez disso, um choque artificial do preço do petróleo em outubro 1973, que em meses elevou em mais de 400% o preço do petróleo, criou o que Henry Kissinger chamou então de "petrodólar".

O mundo precisava de petróleo para a economia. Washington, em negócio de 1975 com a monarquia saudita, determinou que a OPEP Árabe não vendesse sequer uma gota de seu petróleo ao mundo, se não em dólares norte-americanos. O valor do dólar subiu às alturas contra outras moedas como o marco alemão ou o yen japonês. Os bancos de Wall Street encheram as burras com depósitos em petrodólares. O cassino do dólar estava aberto e operando, e o resto do mundo estava sendo tungado por ele.

Em meu livro Gods of Money: Wall Street and the Death of the American Century [Deuses do Dinheiro: Wall Street e a Morte do Século Norte-americano], narro em detalhes o modo como grandes bancos internacionais em New York, como Chase, Citibank e Banco da América usaram petrodólares naquele momento para reciclar os lucros árabes da importação de petróleo pelos países em desenvolvimento durante os anos 1970s, lançando as sementes da chamada "Crise da Dívida do Terceiro Mundo". Curiosamente, foi o mesmo Paul Volcker, protegido de David Rockefeller e do Banco Chase Manhattan de Rockefeller, naquele momento, em outubro de 1979 era presidente do Federal Reserve, quem disparou a crise da dívida dos anos 1980s empurrando para a estratosfera as taxas de juros do Fed. Volcker disse que a operação visava a conter a inflação. Era mentira. A operação visava a salvar o dólar e os bancos de Wall Street.

Hoje, o dólar é fenômeno estranhíssimo, para dizer o mínimo. A partir de 1971, os EUA foram, de principal nação industrial do planeta, a casino de especulação gigante, movido a dívida.

Com as taxas de juros dos Fundos Fed entre zero e 1% durante os últimos nove anos – evento sem precedentes na história moderna – os grandes bancos de Wall Street, os mesmos cujos crimes financeiros e ganância assassina criaram a crise dos "subprimes" de 2007 e seu tsunami financeiro global de 2008, decidiram construir uma nova bolha especulativa.

Em vez de emprestar para cidades já intoxicadas de dívidas para infraestrutura urgentemente necessária ou outras vias produtivas da economia real, aqueles bancos criaram outra bolha colossal no mercado de ações. Grandes empresas usaram crédito barato para recomprar suas próprias ações, o que fez subir alucinadamente o preço das ações nas bolsas de valores, aumento alimentado por boatos e mitos sobre uma "recuperação da economia". O índice de ações das S&P-500 subiu 320% a partir do fim de 2008. Um fato é certo: o aumento daquelas ações não aconteceu 'porque' a economia dos EUA tivesse crescido 320%!...

Os lares norte-americanos ganham menos, em termos reais, de ano para ano, há décadas. Desde 1988 a renda doméstica média manteve-se estável, com inflação sempre crescente e renda real sempre decrescente. As famílias têm de emprestar mais e do que jamais antes em toda a história. A dívida do governo federal alcança inimagináveis $20 trilhões, sem fim à vista. A indústria norte-americana foi fechada e a produção 'exportada', mandada para fora, "deslocalizada" [ing.outsourced] é o eufemismo da hora. Deixada nos EUA, fica uma dívida monstro e uma apodrecida "economia de serviços", na qual milhões trabalham em dois, três empregos de período parcial, só para se manter à tona.

O único fator que mantém o dólar a salvo do colapso total são os militares e uma infinidade de falsas ONGs que os norte-americanos espalham pelo mundo, com a tarefa de facilitarem o saque da economia global.

Enquanto os truques sujos de Washington e as maquinações de Wall Street conseguiram criar crises das dimensões do que se viu na Eurozona em 2010, na qual a Grécia foi sacrificada, países com superávit comercial como China, Japão e depois a Rússia não tiveram alternativa que não fosse comprar mais e mais dívida do governo dos EUA – seguros do Tesouro –, usando com o grosso de seus respectivos superávits comerciais em dólares. Washington e Wall Street sorriram. Podiam imprimir quantidades infinitas de dólares lastreados em nada mais valioso que jatos F-16s e tanques Abrams. Comprando a dívida norte-americana, China, Rússia e outros países detentores de ações em dólares financiaram, na verdade, as guerras que os EUA fizeram contra aqueles mesmos países. Naquele momento, simplesmente não tinham alternativas viáveis.


Surge a alternativa viável 

Agora, por ironia, duas das economias estrangeiras que garantiram ao dólar sobrevida artificial além de 1989 – Rússia e China – está cuidadosamente expondo essa mais temida alternativa, uma moeda internacional viável, com lastro em ouro e potencialmente várias moedas similares que podem deslocar o papel injustamente hegemônico que o dólar tem hoje.

Já há vários anos, ambas, a Federação Russa e a República Popular da China vêm comprando enormes quantias de ouro, em grande parte para acrescentar às moedas de reserva dos respectivos bancos centrais as quais sem isso seriam tipicamente dólar ou euro. Até recentemente, ainda não era muito claro porque os dois países faziam o que faziam.

Durante vários anos soube-se nos mercados de ouro que os maiores compradores de ouro físico eram os bancos centrais de China e Rússia. Mas não se via com clareza a profundidade da estratégia que houvesse por trás de simplesmente construir confiança nas moedas, em tempo de sanções econômicas e palavras belicosas emitidas por Washington, de guerra comercial.

Agora tudo já aparece claramente.

China e Rússia, acompanhadas provavelmente por seus principais parceiros comerciais nos RICS (Rússia, Índia, China, África do Sul)*, e também pelos países seus parceiros eurasianos da Organização de Cooperação de Xangai (OCX) estão bem próximas de completar a arquitetura funcional de uma nova alternativa monetária a um mundo do dólar.

Atualmente, além dos membros fundadores China e Rússia, são membros plenos da OCX o Cazaquistão, o Quirguistão, o Tadjiquistão, o Uzbequistão e, mais recentemente, Índia e Paquistão. É população total de mais de 3 bilhões de pessoas, cerca de 42% da população do planeta, reunidas em cooperação econômica e política planificada e pacífica.

Se se acrescentam aos já membros da OCX também os países em posição de Observadores Oficiais – Afeganistão, Belarus, Irã e Mongólia, estados com desejo já manifesto de unir-se formalmente como membros plenos, basta examinar o mapa mundial para ver o impressionante potencial da emergente OCX. Turquia é Parceira de Diálogo formal, considerando a possibilidade de integrar-se à OCX, bem como o Sri Lanka, a Armênia, o Azerbaijão, o Cambodia e o Nepal. Dito em termos simples, é organização gigantesca.


"Iniciativa Cinturão e Estrada" e Rota da Seda com lastro ouro 


Até recentemente, os think-tanks de Washington e do governo dos EUA menosprezaram instituições eurasianas emergentes como a OCX. Diferente dos RICS, que não é grupo de países contínuos em vasta massa terrestre, o grupo da OCX forma uma entidade geográfica contínua chamada Eurásia. Quando o presidente chinês Xi Jinping propôs a criação do que foi então chamado de Nova Rota da Seda Econômica, em reunião no Cazaquistão em 2013, pouco no ocidente levaram a sério a proposição. Hoje, o nome oficial é Iniciativa Cinturão, Estrada (ICE). E hoje o mundo já começa a levar muito a sério o objetivo da ICE.

Claro que a diplomacia econômica da China, como da Rússia e de seu grupo de países da União Econômica Eurasiana, tem muito a ver com construir ferrovias para trens de alta velocidade, portos, infraestrutura de energia e vasto novo mercado o qual, em menos de uma década ao ritmo em que está andando, já terá ofuscado qualquer potencial econômico que ainda reste aos países arqueados sob dívidas gigantes e estagnados da Organização para Cooperação Econômica e Desenvolvimento, OCED, da União Europeia e da América do Norte.

Até agora, embora vitalmente necessária, ainda não era clara alguma estratégia para libertar do dólar as nações da Eurásia, libertando-as também de crescente vulnerabilidade a sanções pelo Tesouro dos EUA e da guerra financeira baseada naquela dependência do dólar. Isso, precisamente é o que está começando a surgir.

Na reunião de cúpula dos RICS dia 5 de setembro em Xiamen, China, o presidente Putin da Rússia enunciou em termos simples e muito claros a visão russa do mundo econômico atual. Disse ele:


"A Rússia partilha as preocupações dos países RICS relacionadas à arquitetura econômica e financeira mundial, injusta e desigual, que não dá a consideração devida ao peso das economias emergentes. Estamos prontos a trabalhar com nossos parceiros para promover reformas na regulação financeira internacional, para superar a dominação excessiva do número limitado de moedas de reserva."


Que eu saiba, o presidente Putin jamais foi tão perfeitamente claro sobre moedas. Ponha-se essa fala no contexto da recente arquitetura financeira que Pequim revelou, e é claro que o mundo está bem próximo de gozar de novos graus de liberdade econômica.


Futuros de petróleo em yuan chineses


Segundo artigo publicado na revista asiática Japan Nikkei, a China está perto de lançar um contrato futuro de petróleo denominado em yuan chineses que poderá ser convertido em ouro. Isso, se combinado com outros movimentos da China ao longo dos dois últimos anos, para tornar viável uma alternativa a Londres e New York, para Xangai, torna-se realmente interessante.

China é o maior importador de petróleo do mundo, a vasta maioria de cujos negócios ainda são pagos em dólares norte-americanos. Se o novo contrato futuro de petróleo for amplamente aceito, poderá tornar-se o mais importante referencial para petróleo com base na Ásia, uma vez que a China é o maior importador de petróleo do mundo. Esse movimento desafiaria os dois contratos de petróleo dominados por Wall Street, o Brent do Mar do Norte e os futuros de West Texas Intermediate, os quais até agora deram imensas vantagens ocultas a Wall Street.

Com isso a China e seus parceiros eliminariam um dos grandes meios para manipulação, incluindo muito especialmente a Rússia. A introdução de contratos futuros de petróleo negociados em Xangai em yuan, recentemente incluídos na cesta de seletas moedas SDR do FMI, os futuros de petróleo, especialmente quando possam ser convertidos em ouro, podem mudar dramaticamente o equilíbrio geopolítico do poder, desviando-o, do mundo Atlântico, para a Eurásia.

Em abril de 2016, a China completou grande movimento para se tornar novo centro do câmbio de ouro e centro mundial do comércio do ouro físico. A China é hoje a maior produtora mundial de ouro, muito à frente da África do Sul, com a Rússia em segundo lugar.

A China já estabeleceu grande centro de armazenamento na Zona Franca de Qianhai na China, próxima de Shenzhen, cidade de cerca de 18 milhões de habitantes ao norte, próxima de Hong Kong, no Delta do Rio Pérola. Agora a China está completando a construção de um prédio-cofre para ouro, incluindo armazém, bolsa para negociações e escritórios para áreas relacionadas. A Sociedade Chinesa de Câmbio de Ouro e Prata, existente há 105 anos e com sede em Hong Kong está num projeto conjunto com o banco ICBC, o maior banco estatal chinês e maior banco de importação de ouro, para criar o Qianhai Centro de Armazenamento. Começa a ficar perfeitamente claro o motivo pelo qual as falsas ONGs a serviço de Washington, como a National Endowment for Democracy tanto tentou, sem sucesso, criar uma Revolução Colorida anti-Pequim, a "Revolução Guarda-Chuva", em Hong Kong, no final de 2014.

Agora, somando-se aos novos contratos futuros de petróleo negociados na China em yuan, com o lastro em ouro, levará a mudança dramática nos países que são membros chaves da OPEP, mesmo no Oriente Médio. Claro que preferirão o yuan lastreado em ouro, em vez dos dólares norte-americanos hiper inflados, que carregam grave risco geopolítico, como o Qatar aprendeu, depois da visita de Trump a Riad, há alguns meses. Importante, a gigante estatal russa Rosneft acaba de anunciar que a estatal chinesa do petróleo, CEFC China Energy Company Ltd., acaba de comprar a participação de 14% que o Qatar tinha na Rosneft. Tudo começa a se encaixar, numa estratégia muito coerente.

O império do dólar está em dolorosa agonia, e seus patriarcas entraram em processo de negar a realidade, processo também conhecido como "governo Trump". Enquanto isso, os elementos mais sãos desse planeta estão bem próximos de montar alternativas construtivas e pacíficas. Estão dispostos até a acolher Washington em seu grupo, sob regras justas. Muita generosidade não é mesmo?!...




* Desde o golpe, o Brasil deixou de contar como parceiro comercial de quem quer que seja, porque voltou à condição degradada de estado-vassalo dos EUA. Por isso, doravante, não mais falaremos de BRICS, que já não existem, mas só de RICS, sem Brasil [NTs].

segunda-feira, 21 de agosto de 2017

Receita para fazer uma Revolução Popular Híbrida (RPH)




“Primaveras”, “levantes”, “jornadas”, “protestos”, não importa o nome. Egito, Ucrânia, Síria, Brasil: em todos eles, a mídia corporativa viu os acontecimentos sob a narrativa do “espontâneo”, do “novo”, da “renovação na política”. E sempre pelo mesmo viés: a “velha política” não conseguiria dar mais conta das insatisfações, principalmente dos jovens. O roteiro de todas essas “primaveras” é praticamente idêntico (ONGs e fundações educacionais dando apoio financeiro e operacional, jovens lideranças formadas em universidades dos EUA, faixas e cartazes em inglês, vítimas em manifestações principalmente femininas, vazamentos oportunos do Wikileaks etc.) sugerindo algo como uma receita de bolo com ingredientes bem definidos. Propaganda, branding management, técnicas avançadas de psicologia de massas fermentam toda essa “espontaneidade” com objetivos geopolíticos bem definido contra o governo-alvo. Mas não conte para a esquerda – afinal, tudo não passa de “teorias conspiratórias”.


por Wilson Roberto Vieira Ferreira, no ótimo Cinema Secreto Cinegnose

Em uma sequência do filme MIB – Homens de Preto, o agente Kevin (Tommy Lee Jones) introduz o novo agente James (Will Smith) na Organização. Kevin para em uma banca de jornais e folheia um tabloide sensacionalista. “Vamos ver os relatórios”, diz diante do incrédulo agente James. Percebendo a estranheza do pupilo, Kevin explica: “são as melhores fontes do planeta... às vezes também se encontra algo no New York Times”.

Tão previsível e clichê como o último atentado em Barcelona (sempre com a mesma narrativa ao mesmo tempo fatal e enfadonha que caracterizam os “não-acontecimentos”, “false flags” e “inside jobs”) são também as “revoltas populares” ou “primaveras” que nos últimos anos pipocaram em países como Jordânia (2013), Egito (2013), Ucrânia (2014), Georgia (2003), Hong Kong (2014), Síria (2012), Tunísia (2010), Líbia (2011) e, finalmente, Brasil (2013-16).

O modelo desses “levantes populares” de protestos desse século estão lá no século passado como a “Primavera de Praga” na Checoslováquia em 1968 ou a chamada “Revolução de Veludo” no Leste Europeu em 1989.

Previsíveis e com uma narrativa tão fixa e recorrente que falar sobre isso sempre faz o locutor ser rotulado de “sensacionalista” ou “teórico da conspiração”. Mas, principalmente as esquerdas, deveriam seguir o conselho do agente Kevin: há mais verdades nas maquinações conspiratórias e sensacionalistas do que na séria Ciência Política.

“Primaveras”, “levantes”, “jornadas”, “protestos”, não importa o nome. Em todos eles, sempre a cobertura midiática relata os acontecimentos sob a narrativa do “espontâneo”, do “novo”, da “renovação na política” ou, como no recente giro de “primaveras” pelo planeta, do papel das novas tecnologias digitais (redes sociais e dispositivos móveis) nesse processo. E sempre com o mesmo viés: a “velha política” supostamente não conseguiria dar mais conta das insatisfações, principalmente dos jovens.


A cilada do “novo”


E as esquerdas e intelectuais acabam sempre caindo nessa cilada do “novo”. Por exemplo, durante as “jornadas de junho” em 2013 esse humilde blogueiro assistia, incrédulo, professores da ECA/USP rumando para a Avenida Paulista para sentir, de dentro das manifestações, o irromper do “novo” na política brasileira, que a supostamente carcomida política tradicional não conseguiria enxergar.

Por isso, as esquerdas parecem evitar discutir esse assunto: uma guerra híbrida da geopolítica dos EUA por trás das “primaveras”? Isso é “teoria conspiratória!”, “sensacionalismo!”, teme a esquerda, talvez preocupada em ser levada à sério para ganhar espaço em colunas e entrevistas na mídia corporativa e não ser confundida com "chavistas" ou "bolivarianos".

E toca a fazer “autocrítica” dos supostos “erros de avaliação” por não ter dado “respostas” ou informações “na hora certa” para a opinião pública.

Agentes políticos surgem do nada, em geral vindos de alguma universidade norte-americana e turbinados por alguma ONG ou fundação financiada por algum empresário brasileiro com preocupações na área da “educação”. Enquanto isso, a esquerda ou patina nas incansáveis auto-avaliações (lembrando as impagáveis sequências das reuniões da inerte e burocrática Frente de Libertação contra a dominação romana do filme A Vida de Brian do grupo Monty Python) ou joga fora jovens lideranças com origens na própria esquerda.

Então, esse Cinegnose (blog original deste texto) vai dar uma humilde e didática contribuição descrevendo uma receita para criar o bolo das revoluções populares híbridas, diretamente inspirada nas chamadas “teorias da conspiração”.

Se o agente Kevin estiver correto, as melhores fontes de informações do planeta estão nos tabloides sensacionalistas... mas não conte para a esquerda!...


ENTÃO AQUI ESTÁ A RECEITA DETALHADA

Ingredientes:
  • Toneladas de dólares da CIA, MI6 e/ou George Soros e/ou irmão Koch
  • Empresários nacionais financiadores de Fundações, principalmente em áreas de Educação e Meio Ambiente
  • Grupos nacionais de defesa de “Direitos Humanos” ou “Pró-Democracia”
  • Jovens universitários idealistas e aspirantes libertários facilmente manipuláveis
  • Faixas profissionalmente confeccionadas e escritas em inglês
  • Agentes provocadores violentos para ação direta – black blocs ou policiais infiltrados (P2)
  • Jornalistas corrompíveis ou chantageáveis
  • Políticos corrompíveis ou chantageáveis
  • Acadêmicos corrompíveis ou chantageáveis
Modo de preparar:

Passo 1


Despachar agentes da CIA, de ONGs turbinadas por George Soros e/ou irmãos Koch para a nação alvo. Eles poderão facilmente se passar como estudantes de intercâmbio, turista, ativista comunitário, jornalista, empresário, diplomata. O que importa é ser criativo.

Passo 2


Inicie ONGs no país-alvo. Use pretextos humanitários como “Pró-Democracia”, “Direitos Humanos”, “transparência” ou “Liberdade de Informação”. Contate empresários brasileiros que financiam fundações, principalmente na área educacional. Aquelas organizações com ideais altruístas como “formar gente boa que capacita jovens para mudar o Brasil” ou “comprometida em formar líderes no País”.

Baixando do céu das boas intenções e colocando em prática na Terra, essas organizações tornam-se úteis para ter em mão aqueles “jovens idealistas” (vide ingredientes) no bolo final da Revolução Popular Híbrida. Essas organizações acabam dando cobertura para descontentes locais e idealistas ingênuos.

Passo 3

Recrutar a rede de traidores nacionais – alvos intelectuais, políticos e acadêmicos e, se possível, militares. Suborno é uma boa maneira para formar essa rede. Se não for suficiente, chantagear aqueles que têm alguma mancha na sua vida privada ou profissional é a solução mais drástica.

Agora estamos prontos para começar a cozinhar!...

Passo 4

Escolha um nome cativante ou cor para sua Revolução Popular Híbrida (RPH). Revolução Laranja (Ucrânia), Primavera Árabe (Egito, Tunísia, Líbia, Síria), Umbrella Revolution (Hong Kong), Revolução Verde (Irã). No Brasil tivemos uma interessante combinação de temas: “Jornadas de Junho” ou “Manifestações dos 20 centavos”.

Faça um verbete na Wikipedia sobre o tema e crie perfis nas redes sociais. Revolução é uma questão de marketing.

Passo 5

Lance sua revolução como um “protesto espontâneo”. Use aqueles agentes da CIA (aqueles sob identidade de “estudantes de intercâmbio”, “jornalistas” etc.) e os ativistas e “novos líderes” das ONGs.

Proteste contra alguma coisa do tipo “violações de direitos humanos”, “fraude eleitoral”, “governo corrupto” ou “Saúde e Educação Padrão FIFA”. Pouco importa se as alegações são verdadeiras. O que importa é criar paixões, polarizações e o inevitável efeito de manada.

Nesse momento descobrirá a importância daquelas fundações educacionais que formam “líderes para o futuro”: por exemplo, no Brasil a Fundação Estudar, criada pelo empresário Jorge Paulo Lemann, financiou e deu apoio operacional ao Movimento Vem Pra Rua.

Passo 5.1. (opcional)

Em certos casos Wikileaks pode dar uma ajuda a sua RPH através de “vazamentos” de segredos embaraçosos sobre personagens-chave dentro do governo-alvo.

No caso do Brasil, a “Carta Aberta ao Povo Brasileiro” do funcionário dissidente da NSA, Edward Snowden, denunciando que a agência dos EUA teria espionado e-mails da presidenta Dilma e Petrobrás só aumentou a temperatura da fritura do governo-alvo: virou prova da fraqueza de uma presidenta à beira do abismo.

Passo 6

Estenda suas faixas “espontâneas” e cartazes de protesto escritas em inglês nas manifestações. Afinal, é necessário ganhar a simpatia da opinião pública internacional e, principalmente, dos políticos norte-americanos.

Passo 7

Adicione aos seus agentes e líderes políticos em tempo integral que, a essa altura, já ganharam espaço na mídia corporativa (alguns até ganharão coluna fixa em jornais e internet), acadêmicos e universitários aspirantes a uma geração globalizada e “antenada”.

Isso vai engrossar a fileira de manifestantes, incluindo descontentes, pessoas com queixas legítimas, desinformados que acabam seguindo a manada ou simplesmente gente entediada que não tem coisa melhor para fazer.

Passo 8

A essa altura a grande mídia norte-americana e europeia já está retratando a sua RPH como “popular”, “espontânea” e “renovação política” . Uma reação natural à tirania, ditadura, corrupção ou fraude do governo-alvo.

Agora que o mundo está assistindo, encene um incidente. Se você não conseguir encontrar algum fanático que ateie fogo contra si mesmo, simule uma atrocidade. Sangue falso, gás lacrimogêneo ou simplesmente fotos encontradas na Internet. Certifique-se que a vítima seja mulher (ou melhor ainda: criança!...).

Por exemplo, no Brasil pegou bem o episódio de mulheres salvando cães beagles cobaias em um Instituto farmacêutico em São Roque/SP em 2013: mulheres de classe média salvando animaizinhos em meio a fogo e quebradeira de black blocs. Claro, para jogar a culpa no Governo e Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

Ou o fusca incendiando com uma família dentro (marido, esposa e filhos) pegos “de surpresa” em uma manifestação em São Paulo. Ou ainda os “lindos olhos amendoados do anarquismo” (Caetano Veloso) das fotos de black blocs femininos, capas de revistas nacionais. Transforme black blocs em editorial de alguma revista moda feminina. Algo assim como o ensaio fotográfico da atriz Bárbara Paz.

Mas avise aos seus agentes para não olharem ou rirem para as câmeras. Como aconteceu nos atentados terroristas false flag em Berlim e Paris – em plena cena de tragédia, a câmera pegou policiais rindo e conversando descontraidamente até perceberem que estavam no enquadramento. Para de imediato ficarem em alerta e correr para algum lugar apontando armas.

Ou o caso da iraniana Neda Agha-Soltan (intitulada pela grande mídia “o anjo da liberdade”) checando o ângulo da câmera enquanto aplicava sangue falso em si mesma.

Blogueiras que inacreditavelmente conseguem wi-fi no meio de uma guerra civil como na Síria ou num país supostamente isolado como Cuba, também cai bem.

Passo 9

Se, mesmo assim, tudo isso não der certo você poderá contar com o levante de alguma armada rebelde ou ainda a ameaça de sanções econômicas ou de “zona de exclusão aérea” imposta pelos EUA, ONU ou União Europeia. Até convencer ou derrubar um governo contrário a agenda geopolítica dos globalistas.

Mas, claro, tudo isso não passa de “teoria da conspiração”... mas não conte para esquerda. Eles não entenderão mesmo...

terça-feira, 4 de julho de 2017

The Walking Dead: A maldição da semiótica política e do jornalismo



henry Henkels


A política tardiamente descobriu que não passa de uma nulidade, que o poder não mais existe, pelo menos como um locus - uma nobreza, um palácio, um congresso, um tribunal ou coisa que valha - um espaço a ser preenchido por um grupamento social ou uma classe. O poder real migrou definitivamente para a banca financeira transnacional, na gestão automática e algorítmica do capitalismo especulativo e rentista, com seus planejados ciclos de crise e prosperidade.

Através de construção de narrativas e marketing, partidos políticos simulam diferenças entre si, fazem paródia do velho espectro (de esquerda x direita, comunismo x capitalismo, etc.) e vivem do escândalo, da denúncia e do moralismo para se por em um movimento walking-dead de um sistema zumbi.

O jornalismo tradicional, igualmente decrépito e decadente, acha que é uma peça essencial nessa simulação errática: hoje se equilibra numa estrutura de escândalos e denúncias que são sistemática e seletivamente vazados segundo uma agenda política que tenta esconder essa  nulidade de si mesmos: os próprios, a politica e o jornalismo em si.

Porém, assim como o subsistema da política, o jornalismo procura simular racionalidade e utilidade para justificar a própria existência. Isto é, simular a finalidade original à qual o jornalismo supostamente serviria, de informar a sociedade, investigar, enfrentar os poderosos, mas no fim acaba indo onde os poderes decadentes deles próprios tentam cerceá-lo: a verdade.

Assim caminhamos: Ó tempora!... Ó mores!...

quarta-feira, 21 de junho de 2017

Fracking NÃO!... mas o que ser isso?...




por Bianca Diele da Silva, no Heinrich Böll Stiftung Brasil



A questão da água no Brasil tem se tornado central nas discussões atuais. Como um país que possui 12% de toda a reserva de água doce do mundo pode estar exposto a um cenário de escassez? O caso da redução de chuvas na região sudeste foi apontado pelos gestores como um fato que desencadeou a redução drástica nos níveis dos reservatórios. No entanto, pouco se falou sobre o desmatamento das bacias hidrográficas, da poluição derramada todos os dias nos nossos rios inviabilizando seu uso para abastecimento humano ou do uso e desperdício dos setores agrícolas e industriais. Um exemplo desses outros graves fatores que contribuem para a escassez de água é o crime de Mariana, que deixou municípios inteiros sem este recurso.

Será que estamos aprendendo com isso?

Não é só o setor minerário, responsável pelo desastre de Mariana, que oferece riscos a oferta de água no país.

Com as recentes descobertas e início de exploração do pré-sal, o Brasil tem aprofundado a dependência das fontes fósseis de energia como projeto de desenvolvimento. Em setembro de 2013, a Agência Nacional de Petróleo (ANP) anunciou a 13ª rodada de concessão de lotes para a exploração de gás natural de fontes não convencionais. Dentre estas fontes não convencionais está o gás de folhelho, popularmente conhecido como gás de “xisto”.

Para a exploração deste gás é utilizada uma técnica chamada de faturamento hidráulico de alta pressão, ou fracking, que utiliza quantidades enormes de água e gera um volume grande de efluentes. Estes efluentes possuem uma mistura de produtos químicos altamente tóxicos, areia, além de materiais radioativos carreados do subsolo. Isto, por si só, já seria um problema considerável, mas some-se o fato de que as fraturas podem alcançar corpos de água subterrâneos como os aqüíferos, contaminando-os com esta mistura.

Os Estados Unidos foram os precursores no uso comercial desta técnica. Por isso, em setembro de 2015, a Fundação Heinrich Böll, em parceria com outras organizações, realizou, naquele país, a Fracking Tour, cujo objetivo foi conhecer as áreas já exploradas através desta técnica e saber como a polêmica extração de petróleo tem envolvido os movimentos ambientalistas e de direitos humanos. Participaram da atividade países que já possuem áreas de extração via fracking como Argentina e México, bem como aqueles que vêm sofrendo pressões para iniciá-las, como Brasil, África do Sul, China, Irlanda, Alemanha e Chile. E eu fui convidada a participar desta atividade como representante brasileira nas discussões.

Nos Estados Unidos, graças ao lobby desta indústria, os empreendimentos que se utilizam desta técnica não precisam se enquadrar nos marcos regulatórios ambientais que protegem os recursos hídricos e o ar. Conseqüentemente, os poços de água potável das habitações próximas aos locais de exploração foram contaminados sem as devidas medidas de controle e mitigação. Durante a atividade foram visitadas algumas casas na zona rural do estado da Pensilvânia, onde além dos poços contaminados, registraram-se relatos de animais que morreram por terem bebido a água e de pessoas com problemas respiratórios e de pele, com medo de terem sido contaminadas. Os profissionais de saúde não têm acesso a informações sobre as composições dos fluidos que estão impactando na saúde dos residentes.

A atividade da exploração, que se intensificou consideravelmente nos últimos dez anos, não atingiu só o meio ambiente, mas também a saúde das pessoas, os seus modos de vida e a relação entre os indivíduos e as instituições governamentais que deveriam garantir o seu direito a um ambiente saudável. Alguns moradores que resolveram denunciar esta situação sofrem represálias da indústria como processos judiciais e intimidações. Para um país orgulhoso de sua democracia e liberdade de expressão, isto é um retrocesso.

Deixamos esta região com a certeza que os impactos são muito maiores do que os descritos nos artigos, e que o acordo entre a indústria e o governo para o avanço do uso desta tecnologia sem os devidos controles foi muito danosa para a sociedade como um todo. Não foi à toa que, no Brasil, os cientistas solicitaram que mais estudos fossem realizados para avaliar os impactos potenciais antes da aprovação do uso do fracking. Mesmo assim o governo Dilma liberou o leilão e ainda fez uma regulamentação (ANP 21/2014) sobre o tema que deixa os corpos d’água ainda mais expostos pela adoção de parâmetros aleatórios de controle de linha de base da qualidade da água, que não condizem com a composição dos fluidos utilizados.

Mas nem tudo está perdido. Na segunda parte da nossa visita pudemos conhecer como o estado de Nova Iorque, onde também há reservas de gás de “xisto”, baniu a utilização desta técnica baseado em estudos científicos que contaram com uma avaliação criteriosa de profissionais ambientais e de saúde. Muitas organizações ambientalistas, de saúde e de direitos humanos conseguiram levar a discussão para a população, sensibilizando-a para a importância de não repetir o que estava acontecendo no estado vizinho.

Foi uma mobilização longa que começou com discussões, depois pela definição de uma moratória até que mais estudos e mais dados fossem analisados, e finalmente pelo banimento em junho deste ano. Na ocasião da nossa visita, em setembro, o movimento contra o fracking da região estava feliz e aliviado, mas continuavam atentos nos desafios de se manter o banimento e de ampliar esta discussão para que ninguém tenha que ser exposto aos riscos; inclusive os países que vem sofrendo pressões para aderir a essa prática ou que, como no caso do México e da Argentina, já possuem campos de exploração deste tipo.

A troca e atualização das informações foi essencial para o entendimento da importância das resistências a esta nova ameaça e de como podemos fomentar a discussão nos nossos países. Também é importante fortalecer as estratégias comuns já existentes, como no caso da “Alianza Latinoamericana Frente al Fracking”. Na América Latina, descobrimos que temos muito em comum, tanto na forma que os governos estão atuando para a introdução do fracking por meio de um discurso que minimiza os riscos e supervaloriza os benefícios, como por um anseio das populações dos territórios atingidos e ameaçados por respeito ao seu direito de dizer não.
As questões da água são centrais nesta disputa. No Brasil esta já adentrou o campo jurídico por meio de várias ações civis públicas, e algumas delas conseguiram a suspensão do plano de iniciar o uso do fracking em algumas bacias. Além disso, iniciou-se um movimento dos municípios com a declaração de municípios Livres de fracking. Além disso, iniciou-se um movimento dos municípios com a declaração de municípios Livres de fracking como Toledo e Cascavel no Paraná.

Sabemos que esta será uma luta longa e que temos que trabalhar para a ampliação da discussão com a sociedade como um todo, mas acreditamos que o povo brasileiro, que sempre valorizou e cultivou suas águas saberá tomar a melhor decisão sobre esta questão se lhe for dado este direito.

Para quê um país com tanto potencial para energias renováveis optaria por uma tecnologia tão controversa? Com a descoberta e exploração do pré-sal, devemos ampliar ainda mais a nossa dependência de fontes fósseis de energia? Se temos que mudar, como já foi tantas vezes repetidos pelos especialistas do clima, por que não começamos agora? Por que colocar os nossos aquíferos que estão entre os maiores e de melhor qualidade do mundo em risco?

Por que ampliar os conflitos de água com a inclusão de mais uma indústria de uso intensivo de água e com alto potencial poluidor? Pela segurança das nossas águas e das nossas vidas, fracking não.